Servindo como cooperadores de Deus

e enviamos Timóteo, nosso irmão, e ministro de Deus no evangelho de Cristo, para vos fortalecer e vos exortar acerca da vossa fé


A Bíblia é um Livro maravilhoso e singular. É o Livro mais profundo e mais honesto que alguma vez foi escrito, ao longo das eras da existência humana. É o registo que nos apresenta a realidade, tal como ela é, sem omitir nem acrescentar algo, sem ambiguidades ou abordagens parciais.
É capaz de nos apresentar as mais elevadas virtudes de alguém, ao mesmo tempo que nos mostra as falhas, as limitações e os medos do mesmo, assim como os seus pecados e as iniquidades que invadem o coração, e que se manifestam no seu comportamento. E nesta lista encontram-se patriarcas, profetas, reis, apóstolos, enfim, crentes e não crentes.
A Bíblia é a revelação do carácter de Deus, mostrando-nos de um modo peculiar a verdadeira natureza humana e o propósito pelo qual o ser humano foi criado (Génesis 1: 27; Isaías 43: 7), assim como a razão pela qual será redimido da sua condição miserável (Isaías 60: 21).
Este Livro, para além da sua profundidade única, da sua honestidade e da correcta análise que faz da realidade e da natureza humana, também nos mostra o modo misterioso como o soberano Deus actua na criação, e leva avante o Seu propósito redentor, de salvar a humanidade.
De um modo incompreensível e mesmo intrigante, o grande Eu Sou, cumpre o Seu maravilhoso plano de redimir o Homem e toda a Criação, usando meios e métodos que estão além daquilo que a nossa razão pode abarcar.
Um desses meios é o facto de usar seres humanos, frágeis e inconstantes, limitados e falíveis, como Seus agentes na execução do plano da salvação (Marcos 16:20).
Ele salva, instrui, exorta e edifica o Seu povo, colaborando e cooperando, de forma condescendente, com os próprios redimidos. Isto é, Deus faz dos Seus servos, e filhos adoptivos, cooperadores Seus, pela causa do evangelho.
Paulo diz que Timóteo era um “cooperador de Deus” no evangelho de Cristo. Esta designação não foi atribuída unicamente a Timóteo. Na perspectiva teológica de Paulo (e de todos os apóstolos), todos os verdadeiros filhos de Deus são cooperadores, na propagação do evangelho (1 Coríntios 3:9; Filipenses 1:5; 4:3) e na promoção do reino de Deus (Colossenses 4:11).
Tanto no grego, assim como no latim, e em português, o verbo “cooperar” é um verbo composto. Significa “trabalhar com”, “trabalhar juntamente com”, “edificar em conjunto”, “erguer num esforço comum”.
Isso leva-nos a uma clara compreensão do que significa “ser um cooperador”. Portanto, um cooperador é:
- alguém que participa e contribui para o alcance do objectivo comum;
- alguém que investe na edificação de todo o corpo de Cristo, não como um observador exterior, que faz o diagnóstico e que detecta os problemas, as falhas e mostra o que deve ser feito, antes, é alguém que participa no processo do alcance de soluções, apoiando os outros a fim de atingirem a sua maturidade espiritual;
- alguém que reconhece as suas limitações e, por isso, respeita e valoriza o contributo dos outros, sentindo-se enriquecido por eles; é submeter os interesses individuais aos colectivos, contribuindo para a edificação do corpo (1 Cor. 10: 23, 24). Ser um cooperador é ser um exemplo de fé, de humildade e de santidade.
Cresçamos, todos, como servos de Cristo, contribuindo para a edificação mútua, cooperando uns com os outros na promoção do reino do nosso Senhor, glorificando a Deus no nosso viver, expressando o nosso amor ao próximo através do exercício de boas obras e da proclamação da mensagem da salvação ao perdidos. Sejamos todos cooperadores de Deus.
Soli Deo gloria.

Porquê vir a Sete Rios


Pastor Samuel Quimputo

Sendo uma Igreja composta de homens e mulheres falíveis, mas decididos a caminhar pela Verdade, apresentamos, aqui, sete razões para nos visitarem, dando-nos o privilégio de nos alegrarmos com a vossa presença:

1ª – Vir a Sete Rios é ter a oportunidade de participar no estudo da Bíblia, de uma forma aberta, com profundidade, clareza e relevância, adaptado à todas as faixas etárias, através da Escola Bíblica Dominical, onde as questões são respondidas com sinceridade, as dúvidas esclarecidas com honestidade e as convicções são consolidadas com firmeza;

2ª – Vir a Sete Rios é ter a oportunidade de uma mensagem relevante, fundamentada na Bíblia, apresentada com uma profundidade estimulante e desafiadora, onde a Verdade é exposta mas não imposta, levando os ouvintes a um compromisso renovado com o Deus da graça, que perdoa, sala e santifica;

3ª – Vir a Sete Rios é ter a oportunidade de participar, como agente activo, num culto, cujo propósito principal é adorar e glorificar o grande e soberano Deus, num ambiente onde Cristo é amorosa e reverentemente exaltado, com louvor, por meio de hinos e cânticos espirituais, onde os crentes são estimulados e edificados, por meio de orações espontâneas (pela livre actuação do Espírito Santo), onde a esperança da volta do Senhor Jesus é revivida com alegria e expectativa;

4ª – Vir a Sete Rios é ter a oportunidade de servir a Deus por meio da vida, do exercício dos dons, das capacidades e dos talentos que nos foram dados do Alto, servindo aos outros e contribuindo para um clima “fértil” de crescimento, na graça e por meio da graça;
5ª – Vir a Sete Rios é ter a oportunidade de conhecer uma família de fé, com a qual pode conviver e sentir-se irmanado, por meio da qual pode proporcionar e usufruir bênçãos vindas do Pai do céu e ser usado, poderosamente, como um vaso (ou canal) de bênçãos para os outros congregados;

6ª – Vir a Sete Rios é ter a oportunidade de ver a beleza da graça de Deus a operar na vida de homens e mulheres comuns, de uma forma eficiente e visível. É contemplar o poder santificador do Espírito Santo em acção, transformando e moldando pessoas de todas as classes à imagem do Homem perfeito – Jesus de Nazaré, o Cristo de Deus;

7ª – Vir a Sete Rios é ter a oportunidade de ser alcançado pela maravilhosa graça de Deus, capaz de transformar o pior dos pecadores num servo dedicado a Cristo. É ver o Deus de ontem em acção, hoje, preparando a Sua Igreja para o esperado encontro com o Noivo, Jesus de Nazaré, o Senhor da vida e do Universo.
Soli Deo Glória!
Samuel Quimputo

Sexualidade, comportamentos, a Bíblia responde



[…]
As atitudes humanas face à sexualidade têm assumido particular evolução nos últimos 40 anos. Há maior igualdade de género no direito ao prazer, que antigamente era direccionado para o homem, assiste-se a uma maior abertura e predisposição à fantasia e propensão à impureza.
Adicionalmente, a massificação dos conteúdos eróticos e pornográficos mudou a compreensão do sexo e da sexualidade na mente das famílias.
O painel procurará abordar este problema e face à definição bíblica, qual a atitude do cristão a tomar perante a Impureza Sexual.
[…]
Texto:Tito Santos


Agradecemos ao Lar Cristão a divulgação

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...