ESPERANDO COM CONFIANÇA NO SENHOR


Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? 
Espera em Deus, pois ainda o louvarei pela salvação que há na sua presença 
(Salmo 42: 5)

O Ser Humano, criado no tempo, vive e orienta-se dentro da realidade do próprio tempo. Em certa medida, a sua identidade é determinada pela forma como se enquadra no “esquema” dos três momentos: passado, presente e futuro.
Embora os três momentos estejam essencialmente ligados, existem algumas diferenças quando à sua avaliação.
Embora o presente possa explicar o passado, com algum grau de precisão, não o pode fazer em relação ao futuro, visto que este só se torna uma realidade na medida em que se transforma no presente.
Contudo, mesmo tendo a consciência da incerteza do futuro, o ser humano aguarda-lo com expectativa e com alguma esperança. De um modo geral, quanto mais difícil é o presente, maior é a expectativa de um futuro melhor. Porém, às vezes, as dificuldades do presente tendem a obscurecer a nossa visão da realidade, tirando-nos a base emocional para abraçarmos um futuro melhor.
O autor humano dos salmos 42 e 43 (que em muitos manuscritos do Texto Massorético são considerados como um único poema) revela-nos uma das experiências mais penetrantes da alma e do espírito humanos, evidenciando os três momentos do tempo, enquanto um terrível conflito interior o dominava.
O estabelecimento de um diálogo com a sua própria alma traduz-se num dos exercício racionais mais profundos para o alcance da verdadeira sabedoria. Esta perspetiva hebreia (ou melhor, semítica) de análise psicológica é uma das formas de introspeção mais prescrutadoras do verdadeiro “eu”.
Três vezes o salmista formula a pergunta: “por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim?” (42: 5,11 e 43:5). Significa que no momento em que faz a pergunta, ele não se encontra livre de tudo o que o perturba e o aflige, as dificuldades ainda “estão lá”, os problemas ainda não foram resolvidos. Contudo, impulsionado pela esperança de um futuro melhor, que descansa na providência e no cuidado de um Deus que pode socorrer, este crente piedoso confronta a “sua alma”no sentido de descobrir as razões do seu pânico e da sua agitação. Que visão da vida nos transmite o salmista!
O mais impressionante é o “conselho” que ele dá à sua alma. Por outras palavras, o salmista diz ao seu “eu” mais profundo que a única solução para a verdadeira tranquilidade interior é a espera confiante  num Deus que auxilia a todos os contritos e quebrantados de coração, em cuja presença há salvação.
Eis a razão pela qual o salmista deixara bem explícito, logo no início do seu poema,  o maior desejo da sua alma - Deus. Tal como o catecismo escocês afirma: “o principal propósito do homem é glorificar a Deus e gozá-lo para sempre”, o salmista deseja usufruir a presença de Deus e alegrar-se na Sua graça.
Concordo com John Piper quando afirma que “Deus é mais glorificado em nós quando somos mais satisfeitos nele”. Aliás, este é o lema que expressa a visão da sua vida e do seu ministério pastoral.
Ao terminarmos este ano de 2012, com todos os momentos nele vividos e prestes a encarar um dos mais conturbados anos da história da democracia portuguesa (segundo algumas previsões), aprendamos, com o salmista, a dialogar com a nossa alma, no sentido de ensiná-la a confiar, esperar e a descansar naquele que conhece, de um modo completo, o passado, o presente e o futuro, aquele que é o Senhor da História e das nossas vidas, que tranquiliza a alma inquieta, que auxilia a alma em agonia, cuja presença satisfaz o coração e outorga salvação. Encaremos o futuro com confiança!

Soli Deo Gloria.

                                                                                          
Pr. Samuel Quimputo 
in Boletim 132
30 dezembro 2012

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...